ANOTADAS A QUENTE: Grandes armadores reajustam os fretes nas rotas do Brasil

Autor(es): Por Fernanda Pires | Para o Valor, de Santos
Valor Econômico – 04/04/2013
Os principais armadores que fazem o transporte de contêineres no longo curso com a Costa Leste da América do Sul anunciaram aumento de fretes válidos a partir deste mês. A maioria dos reajustes incide desde 1º de abril. Os aumentos variam em cada serviço, mas, no geral, atingirão as maiores rotas com as quais o Brasil comercializa: Europa e Ásia.

Para usuários do transporte, o empenho do governo em baixar custos portuários para tornar o comércio exterior brasileiro mais competitivo poderá ter efeito limitado. Sem marinha mercante na navegação de longo curso, o Brasil depende das linhas internacionais para exportar e importar.

Mais preciso seria dizer algo assim: “Sem navios conteineiros próprios na navegação de longo curso, o Brasil depende de armadores estrangeiros para exportar e importar.”

Os armadores, por sua vez, afirmam que não se trata de reajuste, mas sim de recomposição de preços em busca de rentabilidade no negócio, após perdas bilionárias em razão da crise mundial.

Os próprios armadores contribuíram decisivamente para estas perdas bilionárias.

Ao encomendar navios porta-contêineres em excesso, irracionalmente até, o desequilíbrio entre capacidade e demanda só fez se acentuar — segundo a consultoria francesa Alphaliner, mais 1,8 milhão de TEUs terá ganho as águas do planeta até o fim do ano. Um recorde.

Como desgraça pouca é bobagem, vários armadores se envolveram em uma guerra de preços de frete ao longo de 2012. E  a  Maersk diz, em matéria na Ship & Bunker, que vem mais por aí.

Em outras palavras, os armadores querem fazer com que os embarcadores paguem pelas decisões desafortunadas e imprudentes que tomaram. 

Que eles recomponham o juízo antes de “recompor” preços.

“Os ganhos que teremos com a redução de custos portuários que a MP 595 promete podem ser anulados por conta dos fretes, mas infelizmente o governo não tem o que fazer. É a lei de mercado”, diz José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).

Não, Castro, não é a lei de mercado. Isto é uma falha de mercado — os armadores são um oligopólio — que teria de ser regulada pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários. 

Atuam na Costa Leste da América do Sul na navegação de longo curso mais de 20 empresas estrangeiras. Em 2012 elas movimentaram 5,59 milhões de Teus (contêiner de 20 pés) cheios. Quase 65% da movimentação está centrada nas mãos de cinco companhias – todas anunciaram aumentos em alguma rota que escala os portos brasileiros, dominantes nos tráfegos sul-americanos.

Cinco companhias movimentam 2 em cada 3 contêineres no Brasil. Se isto não é um oligopólio, uma “ilusão competitiva”, como diria Delfim Netto, não sei o que seria.

A alemã Hapag Lloyd é a recordista. Aumentará o valor em dez rotas de serviços que envolvem o Brasil. O maior ajuste será para o contêiner transportado do Norte da Europa para a América Latina: US$ 520 por Teu. No caminho de volta, a correção do armador também é a mais alta: US$ 400.Os serviços com o Extremo Oriente – a rota mais movimentada – também sofrerão altas. Maersk Line, Hapag Lloyd e a francesa CMA CGM corrigiram em US$ 500 o Teu do Extremo Oriente para a América Latina.

Três competidoras com aumento igual. Fossem postos de gasolina, estariam gritando “cartel!”

Apenas a CMA CGM comentou o aumento. Marc Bourdon, diretor-geral da companhia no Brasil, disse que o reajuste do frete da Ásia para o Brasil é justificado pelos resultados “muito difíceis nessa rota em 2012 e que continuam atualmente”. Segundo ele, apesar de uma melhora durante o ano passado, “é importante continuar melhorando o nível de rentabilidade para retornar a uma situação econômica saudável que justifique os investimentos”.

Que tal abrir a planilha de custos dos armadores para ver ser a queixa se justifica? E que tal estabelecer algum nível de qualidade?

Abra as contas, Bourdon!

A Hamburg Süd, líder nos volumes brasileiros de longo curso, aplicou aumento de US$ 200 por Teu na rota entre o Norte da Europa e a Costa Leste da América do Sul. Na MSC, segunda no ranking brasileiro, a correção será de US$ 260 a partir do dia 15. A MSC atendeu ao pedido de entrevista.

O diretor-superintendente da Hamburg Süd no Brasil, Julian Thomas, diz que os aumentos não são coordenados. “O frete sobe ou desce de acordo com a lei de oferta e demanda, é um mercado bastante perfeito neste sentido”. Para Thomas, os US$ 200 são um aumento “bem modesto em face do que o frete caiu nos últimos anos e sobretudo ao aumento do preço do combustível”. O combustível é o principal custo em uma viagem de navio e está numa escalada galopante. Hoje, o preço da tonelada está em média US$ 600. “É muito alto, nada disso foi recuperado dentro dos fretes. São esses dois elementos que fazem o frete subir: o aumento dos custos e a demanda do mercado”, afirma Thomas.

Uma consulta no site Bunkerworld põe a questão do preço dos combustíveis — de fato, o item mais importante dos custos operacionais do transporte marítimo — na devida perspectiva. Não há “escalada galopante” que justifique um aumento como este agora.

Os novos valores integram uma rodada de correção em vários tráfegos. Mesmo sendo em âmbito global, os ajustes que envolvem o Brasil tendem a ter impacto maior na ponta da cadeia, entende a AEB. “O preço do produto final sobe. Subirá para todos os mercados, é verdade, mas o Brasil participa com pouco no cenário internacional e estamos longe dos centros consumidores, por isso tende a ser pior para o país”, diz Castro.

Especificamente, o Brasil movimenta muito pouco contêiner para o porte da sua economia.

Segundo Fernando Martins, sócio da consultoria Bain & Company, o reajuste terá pouco impacto no produto brasileiro se acontecer de maneira uniforme em todas as geografias do mundo. “O problema é que há rotas com mais concorrência de armadores do que outras. As rotas entre Ásia e Europa, por exemplo, têm mais oferta de saídas do que entre a Europa e o Brasil. O armador vai ter mais dificuldade em subir o preço naquela rota do que na que escala o Brasil.”

Especialistas do setor afirmam que a indústria do transporte marítimo, em geral, e o setor da linha regular e transporte de contêineres, em particular, estão passando por período de transição desde a crise econômica global deflagrada em 2008. Michel Donner, assessor da consultoria Drewry, especializada em portos e navegação, diz que nos últimos cinco anos os armadores estão se adaptando a uma queda do crescimento da demanda simultaneamente ao excesso de capacidade em razão, em parte, das altas encomendas de embarcações feitas antes da crise.

O analista deixa de levar em conta o impacto do aumento do tamanho dos navios.  Quando os navios de 18 mil TEUs da Maersk entrarem em operação, eles deslocarão navios menores e mais antigos que eles, mas ainda enormes, para rotas secundárias. Isto disparará um efeito cascata que fará, no fim, com que a oferta de capacidade aumente, pressionando o frete para baixo em um primeiro momento.

Em outros termos, o problema não é tanto o excesso de novos navios, mas o tamanho destes novos navios.

“A queda dos fretes em geral, apesar de não ter sido linear em todas as regiões, foi violenta. O nível médio dos fretes na exportação de contêineres secos no Brasil, estava, em 2012, aproximadamente 10% abaixo do patamar de 2002”, disse em entrevista ao Valor.

Isto explica os investimentos feitos no transporte de contêineres refrigerados, cujo frete é maior.

Com raras exceções, os armadores de contêineres fecharam o ano no vermelho em 2009 e 2011. Segundo Donner, as perspectivas para este ano também não são muito boas. Portanto, diz, a recuperação dos níveis de fretes é vista hoje como indispensável e urgente para reestabelecer um nível de operações comercialmente sustentável, entre outras medidas de reestruturação da oferta de transporte.

A situação de algumas empresas é tal que ela têm optado por pagar multas a assumir encomendas de novos navios. Recentemente a Zim chegou a um acordo com o estaleiro coreano Samsung Heavy Industries para cancelar uma encomenda de cinco navios de 12.552 Teus. A negociação prevê uma opção para cancelar outras quatro embarcações em janeiro de 2014.

Anúncios

Tags:, , , , , , , , , , ,

About Alexandre da Rocha

Nasci carioca, nasci guanabarino. Desconfio que nasci marinho. Cheguei a deixar do mar, sim... Mas cadê que o mar deixou de mim? Vim morar
%d blogueiros gostam disto: