Azul Sete Zero

Então, segundo me diz o Estadão de hoje, está decidido: queremos ser como Rotterdã.

O objetivo da presidente Dilma é direto, e repetido por quase todos os técnicos do governo envolvidos com as medidas: igualar a operação dos portos brasileiros à dos principais do mundo, como Roterdã (Holanda).

Isso deve acontecer em todos os sentidos – tributários, custos com mão de obra, infraestrutura básica e modelo gerencial.

Faltou lembrar o que considero o mais importante de todos os problemas: o do conhecimento. E, neste aspecto, penso que o Brasil deixa a desejar.

Vamos às evidências.

Diz a matéria que técnicos “estimam que a mão de obra representa 50% do custo portuário”.

Como a reportagem silencia sobre a composição deste custo, é preciso adotar uma definição operacional de “custo portuário” antes de prosseguir.

Segundo o Business Dictionarycustos portuários são as taxas e sobretaxas aplicadas ao navio e/ou à…

Ver o post original 542 mais palavras

Anúncios

About Alexandre da Rocha

Nasci carioca, nasci guanabarino. Desconfio que nasci marinho. Cheguei a deixar do mar, sim... Mas cadê que o mar deixou de mim? Vim morar
%d blogueiros gostam disto: