Copa 2014: TCU fecha parceria para identificar os ralos de dinheiro público

Nos canteiros das obras ligadas à Copa do Mundo de 2014, os cronogramas de execução permanecem em atraso, mas o Tribunal de Contas da União (TCU) se antecipa para apertar o cerco aos desvios de recursos e ao superfaturamento de contratos. Prevendo que o Brasil sofrerá os mesmos problemas enfrentados pelo último anfitrião na organização da competição, o TCU firmou acordo com a Auditoria-Geral da África do Sul para mapear todos os ralos por onde escoaram recursos públicos no país e assim tentar prevenir os erros na Copa que acontecerá no Brasil.

O auditor-geral da África do Sul, Terence Nombembe, deu a autorização para que os países trocassem experiências na fiscalização da aplicação do dinheiro público e indicou os principais pontos que mereceram atenção especial na Copa do Mundo de 2010 (veja quadro ao lado). Logo após a competição, as autoridades africanas detectaram rombos nos cofres públicos, principalmente nas autarquias de economia mista, pela aplicação de recursos públicos na aquisição de ingressos para a competição.

Com o argumento de fomentar as relações institucionais durante os Jogos, entes do governo gastaram milhões na compra de entradas para as partidas, mas só depois da Copa os auditores detectaram a irregularidade. Atento ao problema africano, o tribunal já estuda medidas para alertar o governo sobre esse tipo de comportamento, quando 2014 chegar.

Auditoria realizada na África do Sul depois da Copa do Mundo identificou despesa de US$ 1,8 milhão da estatal de petróleo — com modelo administrativo semelhante ao da Petrobras — para a compra de mais de mil ingressos que seriam distribuídos aleatoriamente entre funcionários, clientes, autoridades e artistas.

Gestão

Para não ser pego de surpresa, o TCU também está interessado no plano de gestão dos empreendimentos da Copa realizado pela África do Sul. Relatos preliminares indicaram que o atraso nas obras gerou fator inesperado quando a data da competição se aproximava. Pressionadas pelo governo para entregar estádios e estrutura de transporte no tempo certo, as empresas contratadas ganharam poder de barganha para “trocar” a celeridade do trabalho por aditivos de contrato. O governo ficou refém da “chantagem” das empreiteiras, pois às vésperas da Copa não poderia correr o risco de parar a obra para selecionar outra empresa.

Em troca da radiografia feita pelo órgão africano que corresponde ao TCU no Brasil, os ministros do tribunal se comprometeram a fechar acordo de cooperação para trocar métodos de auditagem de recursos públicos e apoiar a fiscalização.

O “encalhe” dos estádios construídos por meio de parcerias público-privadas também é um problema que preocupa auditores e administradores brasileiros. Na África do Sul, pelo menos cinco das 10 arenas construídas não tiveram viabilidade econômica para pagar o financiamento e se transformaram em onerosos fardos para o governo conservar.

Monitoramento

Confira os problemas que a África do Sul enfrentou e o que o TCU pretende se antecipar

Aditivos

O atraso no cronograma das principais obras, de transporte e construção de estádios deu às empreiteiras responsáveis o poder de barganhar pelo pagamento de aditivos, aumentando o preço final do empreendimento. Como o governo da África do Sul não podia se dar ao luxo de suspender contratos ou abrir novas concorrências, ficou submetido à “chantagem” das empresas de engenharia.

Elefante branco

No modelo de parceria público privada adotado, o financiamento das obras por parte dos estados veio de recursos públicos. Os entes, no entanto, tiveram que pagar a conta do financiamento depois da entrega dos estádios. A dívida pesou no orçamento e pelo menos metade dos estádios tornou-se um fardo para a administração pública sul-africana.

Ingressos

Além de enfrentar os grandes “cambistas”, que compraram a maior parte dos ingressos antes mesmo das competições, a África do Sul teve problemas com gastos irregulares de recursos orçamentários por parte de estatais que investiram verbas públicas na aquisição de entradas para distribuir aos funcionários ou em ações promocionais.

Fonte: http://www.midiamax.com/noticias/774229-copa+2014+tcu+fecha+parceria+para+identificar+ralos+dinheiro+publico.html

Anúncios

Tags:, ,

About Alexandre da Rocha

Nasci carioca, nasci guanabarino. Desconfio que nasci marinho. Cheguei a deixar do mar, sim... Mas cadê que o mar deixou de mim? Vim morar
%d blogueiros gostam disto: