300 PALAVRAS | Marítimo, sujeito oculto

Hoje se celebra o primeiro Dia Internacional do Marítimo. A não ser por algumas iniciativas isoladas, o Brasil ignorou a data. Não deveria ser assim. Mas não surpreende.

O Brasil não deveria ser ingrato com a gente do mar. Seja de que nacionalidade for, ela é fundamental para a prosperidade do País. Sob sua responsabilidade imediata, trafega pelos mares cerca de 90% do nosso comércio exterior. Graças a ela é que quase todo o petróleo que produzimos no oceano chega à terra, com um baixíssimo índice de acidentes.

O preço que o marítimo paga por este sucesso é grande, por vezes intimidante. Há a fadiga: o trabalho se dá em horários irregulares, que prejudicam o sono, e longas jornadas não são incomuns. Há o sacrifício de suas vidas pessoais e sociais: sei de tripulantes filipinos que ficaram embarcados por mais de um ano para poder sustentar uma família com a qual só conseguiam manter contato quando estavam em terra. Há, por fim, o risco de morte: a indústria do transporte marítimo está entre as que mais registram acidentes fatais em todo o planeta, e a pirataria está de volta.

Ocorre que a dedicação e os dramas do profissional do mar se desenrolam quase sempre sem alarde, a milhas e milhas de qualquer olhar. Isto talvez ajude a entender porque sua contribuição para nossas vidas é ignorada pela maioria, fazendo do marítimo um sujeito oculto. Entretanto, não posso descartar o preconceito. Mesmo hoje, dependendo da nacionalidade, marítimos são proibidos, sem razão legal ou justa, de baixar à terra. É a Polícia Federal que manda às favas direitos humanos de trabalhadores honestos, não raro quase escravos — com a benção da nossa indiferença.

Não deveria ser assim, mas não surpreende: o marítimo, no Brasil, ainda é sujeito oculto. E marginal.

Anúncios

Tags:

About Alexandre da Rocha

Nasci carioca, nasci guanabarino. Desconfio que nasci marinho. Cheguei a deixar do mar, sim... Mas cadê que o mar deixou de mim? Vim morar

One response to “300 PALAVRAS | Marítimo, sujeito oculto”

  1. Lucas says :

    Nao tinha pensado sobre este aspecto, quando li dia do maritimo, associei ao navegante, marinheiro e só. Mas não é só, são muitos e valiosos para o desenvolvimento do nosso país e devem ser valorados pelo governo e população. Força ao maritimo!

%d blogueiros gostam disto: