ECONOMIA | Jornal questiona se China é parceira ou ‘saqueadora’ do Brasil

TERRA

O jornal britânico The Guardian destaca em sua edição desta quinta-feira a construção de um enorme complexo portuário e industrial na costa do Estado do Rio de Janeiro, apelidado de “Estrada para a China”, e questiona se o gigante asiático é um “parceiro” ou um “saqueador” do Brasil.

“Milhares de toneladas de minério de ferro, grãos, soja e milhões de barris de petróleo devem passar pela ‘estrada’ a cada ano em seu caminho para o Oriente, onde eles irão aliviar a aparentemente insaciável sede da China por recursos naturais”, diz o Guardian.

Neocolonialismo
Na reportagem intitulada “Parceiro ou saqueador?”, o jornal afirma que investimentos como o Super Porto do Açu garantiriam o acesso a recursos naturais fundamentais do Brasil.

No texto, o complexo de mais de R$ 4 bilhões e com área equivalente a 12 mil campos de futebol é descrito como “uma nova fase nas relações entre Brasil e China” pelo secretário de desenvolvimento econômico do Rio, Júlio Bueno.

Mas o jornal diz também que a obra está gerando protestos dos que veem a presença chinesa como neocolonialismo. O economista Delfim Netto é citado na reportagem, com uma declaração em que afirma que é um “erro grave” permitir que um país estrangeiro compre terras, minerais e recursos naturais do Brasil.

O empresário por trás do super porto, Eike Batista, rechaça as críticas ao crescente volume de investimentos chineses no País em entrevista ao jornal britânico.

“A associação entre Brasil e China é uma estrada de mão dupla”, disse Batista ao Guardian. “Se você quer três toneladas de minério de ferro bruto, você produz uma tonelada de aço no Brasil.”

“Essa filosofia está ganhando reconhecimento e é ótima para ambos os lados”, defendeu o empresário, que é o homem mais rico do País.

Petrobras
O interesse chinês no Brasil também é assunto de uma reportagem do Financial Times nesta quinta-feira, que diz que investidores do país asiático estão analisando com interesse especial uma oferta de ações da Petrobras.

FT fala dos “sólidos laços econômicos” estabelecidos entre os dois países nos últimos anos e destaca que a China considera o acesso a petróleo e gás uma questão de segurança nacional, já que o país é o segundo maior consumidor do mundo e produz menos da metade do que precisa.

Segundo o jornal, “as grandes empresas de petróleo chinesas estariam interessadas principalmente em investimentos não-operacionais em alguns dos campos de pré-sal brasileiros, o que poderia ajudá-las a ganhar experiência de operação em situações tecnicamente complexas”.

Anúncios

About Alexandre da Rocha

Nasci carioca, nasci guanabarino. Desconfio que nasci marinho. Cheguei a deixar do mar, sim... Mas cadê que o mar deixou de mim? Vim morar
%d blogueiros gostam disto: