Governo vai criar Plano Nacional de Contingência para exploração de petróleo, diz diretor da ANP

Ramona Ordoñez | O GLOBO

O vazamento de óleo no poço da British Petroleum (BP) no Golfo do México, nos Estados Unidos – que completou três meses até ser parcialmente contido – provocará mudanças profundas nos sistemas de segurança utilizados pela indústria de petróleo no mundo todo. E no Brasil, as mudanças já começaram. A Agência Nacional do Petróleo (ANP), o Ibama e a Marinha começaram a elaborar o primeiro plano nacional de contingência para conter vazamentos de petróleo em alto mar, como nos campos do pré-sal.

Até agora, a Petrobras elaborava os programas de contingência para cada uma das plataformas, mas agora, segundo o diretor-geral da ANP, Haroldo Lima, revelou em entrevista ao GLOBO, o governo adotará um plano em nível nacional, com a atuação conjunta dos órgãos fiscalizadores e do meio ambiente.

Apesar de afirmar que os sistemas de segurança adotados no país, assim como sua fiscalização, estão entre os mais avançados do mundo, Lima admite que certamente deverão ser aperfeiçoados devido ao vazamento no Golfo. Mas alerta que o Brasil deve acelerar os projetos de exploração de petróleo no pré-sal e também no pós-sal, com o risco de a matéria-prima perder valor no futuro próximo com o maior uso de fontes alternativas de energia, acelerado pelo acidente nos EUA.

Lima se declarou um defensor não só da aceleração da produção de óleo no pré-sal, como no pós-sal e também nas bacias terrestres para permitir o desenvolvimento do país e ajudar na redução da pobreza e da desigualdade.

– Temos que nos adiantar para evitar que a gente fique com um mico.

O GLOBO: Devido ao acidente no Golfo do México, até países como o Brasil deverão realizar mudanças em seus sistemas de segurança?HAROLDO LIMA: Sim. Mesmo países como o Brasil e a Noruega, que têm segurança operacional moderna, vão ter que se adaptar. Certamente será necessária a adoção de novas medidas de segurança, e a nossa fiscalização também vai aumentar.

O GLOBO: Como o senhor responde às acusações de que a ANP estaria sendo omissa no caso do acidente no Golfo do México?

LIMA: Não é verdade. Pelo contrário. Nós tomamos iniciativas imediatas. No dia seguinte ao acidente da BP já começamos a fazer uma avaliação do ocorrido e solicitamos relatórios de operação de todas as empresas petrolíferas que atuam no Brasil.

O GLOBO: Devido ao megavazamento de óleo da BP , o que acabou levando algumas empresas a adiarem novos projetos de exploração, o senhor acredita que o petróleo poderá vir a perder espaço para outras fontes energéticas no mundo?

LIMA: Com a decisão de suspender a exploração de petróleo na costa leste americana, os Estados Unidos estão se privando de explorar reservas de petróleo que variam entre 30 bilhões a 50 bilhões de barris de óleo. Para não se tornarem ainda mais dependentes da importação de petróleo, principalmente do Oriente Médio, acredito que os Estados Unidos vão acabar sendo obrigados a investir fortemente em combustíveis alternativos.

O GLOBO: O senhor acredita que o temor de novos acidentes poderia colocar em risco, aqui no Brasil, a exploração do petróleo na camada do pré-sal?

LIMA: As energias alternativas podem tornar mais dispensável o petróleo que temos aqui. Por isso temos que correr um pouco atrás desse nosso petróleo. Temos que nos adiantar para evitar que a gente fique com um mico.

O GLOBO: Mas o Brasil não estaria indo na contramão do mundo, já que, lá fora, estão reduzindo o ritmo no lugar de acelerarem à exploração do petróleo?

LIMA: Temos maior experiência do que eles. Temos o maior número de sondas de perfuração em operação. Não vamos nos igualar a todos que estão tendo dificuldades. Esse pessoal da Europa não tem a experiência que nós temos, com exceção da Noruega. No pré-sal, por exemplo, já perfuramos 80 poços e, em nenhum deles, ocorreu acidentes. Não vamos sentar nos louros. Temos que aumentar ainda mais nossa segurança, mas sem interromper à atividade de produção.

O GLOBO: O senhor acredito que o custo de exploração do petróleo vai aumentar?

LIMA: É possível que sim, mas será um aumento pequeno se comparado com o potencial de ganhos.

O GLOBO: A ANP planeja aumentar à fiscalização na operação das plataformas?

LIMA: Certamente. No ano passado, tivemos uma média de 80 semanas com nossos engenheiros embarcados em plataformas. E o trabalho vai aumentar com a participação da certificadora internacional Bureau Veritas.

O GLOBO: Como o Brasil não tem um programa para conter vazamentos em alto mar, nos campos do pré-sal, o que será feito em caso de um acidente?

LIMA: A ANP, o Ibama e a Marinha estão estudando a criação de um Plano Nacional de Contingência nas atividades exploratórias de petróleo no mar. Atualmente, somente a Petrobras faz seus próprios planos de contingência, que são exigidos pela ANP como pré-requisito para conceder a autorização de operação das plataformas.

O GLOBO: Qual dos três órgãos será o coordenador do Plano Nacional de Contingência?

LIMA: A gente acha que deveria ser a Marinha. O Ministério do Meio Ambiente está fazendo os estudos para ver como será feito o plano e quem vai coordenar.

O GLOBO: Então o Brasil não deve interromper a exploração de novos campos de petróleo por conta do vazamento no Golfo do México?

LIMA: Nenhum país do mundo atingiu a área do pré-sal como o Brasil. Nós fizemos 80 poços no pré-sal. Temos que redobrar nossos cuidados e a fiscalização. E vamos tirar proveito de estarmos na frente. Não é porque os países lá fora estão passando por dificuldades, que nos, aqui no Brasil, temos que parar nossa produção.

O GLOBO: A exploração no pós-sal também deve ser acelerada no Brasil?

LIMA: O Brasil não se resume ao pré-sal. Podemos estar correndo o risco de ficarmos um pouco ofuscados pelo brilho do pré-sal. O resto do Brasil não tem pré-sal, mas precisa se desenvolver áreas, como a margem equatorial brasileira, que incluí as regiões Norte e Nordeste. Temos oportunidades nestas áreas de desenvolver pequenas e médias empresas de petróleo, como na Bacia do Parnaíba, por exemplo, na parte terrestre dos estados do Maranhão e Piauí). O Brasil precisa aproveitar essa riqueza para melhorar as condições de vida e reduzir a desigualdade social da população local.

Anúncios

Tags:, ,

About Alexandre da Rocha

Nasci carioca, nasci guanabarino. Desconfio que nasci marinho. Cheguei a deixar do mar, sim... Mas cadê que o mar deixou de mim? Vim morar
%d blogueiros gostam disto: