ANIMUS RIDENDI | Não basta advogar, o cliente tem de colaborar…

Advogar exige raciocínio rápido e inteligência.

Na Inglaterra, um réu estava sendo julgado por assassinato. Havia evidências quase indiscutíveis sobre a sua culpa, mas o cadáver não aparecera. E no país britânico – desde que haja prova cabal e/ou confissão do réu – não há necessidade do aparecimento do corpo da vítima.

Quase ao final da sua sustentação oral, o advogado, temeroso de que seu cliente fosse condenado, recorreu a uma estratégia. Circulando à frente do júri e com olhares fixos a cada um dos jurados, disparou uma promessa:

“Senhoras e senhores do júri, senhor juiz, eu tenho uma surpresa para todos. Dentro de dois minutos, a pessoa que aqui se presume assassinada, vai entrar na sala deste tribunal”.

E olhou para a porta. Os jurados, surpresos, também ansiosos, fizeram o mesmo, olhando fixamente na mesma direção.

Decorreram dois longos minutos e nada aconteceu. O juiz inquieto parecia arriscar uma frase, quando o advogado, então, completou:

– Realmente, eu falei e todos vocês olharam para porta com a expectativa de ver a suposta vítima. Portanto, ficou claro que todos têm dúvida neste caso, se alguém realmente foi morto. Por isso insisto para que vocês considerem o meu cliente inocente, pois não comprovação da morte da suposta vítima.

Os jurados, visivelmente surpresos, retiraram-se para a decisão final. Alguns minutos depois, o júri voltou e o magistrado pronunciou o veredicto:

– Culpado! Pena de 20 anos.

– Mas como? –  perguntou o advogado. Eu vi todos vocês olharem fixamente para a porta. Assim é de se concluir que os senhores jurados estavam em dúvida! Ora, então, como condenar na dúvida?”

O juiz liquidou a questão:

– Sim, os jurados, a platéia e até eu olhamos para a porta durante dois minutos, menos o seu cliente…

Fonte: http://www.espacovital.com.br

Anúncios

Tags:,

About Alexandre da Rocha

Nasci carioca, nasci guanabarino. Desconfio que nasci marinho. Cheguei a deixar do mar, sim... Mas cadê que o mar deixou de mim? Vim morar

2 responses to “ANIMUS RIDENDI | Não basta advogar, o cliente tem de colaborar…”

  1. Renan Raul says :

    ótimo texto, vem a calhar nessa história toda que envolve o goleiro Bruno…

    Mas, fugindo do assunto, você sabe o que acontece com o navio Isolde, parado já faz um tempo no píer de passageiros?

    • Alexandre da Rocha says :

      Nas palavras de um dos controladores da praticagem, o navio aguardava uma peça para realizar reparos. Eles já foram executados, e o navio está agora em Navegantes.

      Quanto ao post propriamente dito, foi precisamente por causa do Bruno que lembrei desta história… 🙂

%d blogueiros gostam disto: