PORTO DE ITAJAÍ | Movimento de contêineres caiu 21% em abril

João Henrique Baggio — AUTORIDADE PORTUÁRIA DE ITAJAÍ

As fortes chuvas [e a ressaca] que caíram no decorrer de abril trouxeram significativas perdas para o Complexo Portuário do Itajaí no período. O porto e terminais instalados às margens do Rio Itajaí ficaram sem operar pelo período de sete dias e, como conseqüência, registraram decréscimo de trinta atracações, comparativamente a março deste ano.

Essa redução no número de navios operando no Porto de Itajaí e demais terminais que compõem o Complexo impactou na redução de 20,71% na movimentação em toneladas e de 21,47% no volume de TEU (Twenty-foot Equivalent Unit – unidade internacional equivalente a um contêiner de 20 pés), em relação a março.

Os números foram divulgados na manhã desta sexta-feira [14] pelo diretor comercial do Porto de Itajaí, Robert Grantham, ao Conselho de Autoridade Portuária (CAP) de Itajaí.

Se analisada a movimentação acumulada no primeiro quadrimestre do ano, comparativamente a igual período de 2009, o Complexo registrou um crescimento de 94% no número de atracações, 128% nas operações com contêineres e 121% na movimentação geral de cargas. “Porém, esse dado torna-se irrelevante, uma vez que nos meses de janeiro a abril do ano passado o Complexo operou com sérias restrições de calado, o que reduziu drasticamente suas condições operacionais”, afirma Grantham.

Segundo o diretor, os 30 navios que deixaram de atracar no Complexo durante os dias de barra impraticável representaram para a Autoridade Portuária perdas de aproximadamente R$ 600 mil em tarifas relacionadas a Tabela I [utilização de infraestrutura de proteção e acesso aquaviário] que deixaram de arrecadadas.

Superação – Grantham ainda destacou, durante a reunião do CAP, a quebra do paradigma de que o Complexo do Itajaí não tem condições de operar com navios com mais de 270 metros de comprimento, com a atracação do navio Santa Rafaela, do armador chileno CSAV, em abril. “Esse foi um fator positivo para o Complexo Portuário do Itajaí”, afirma Grantham.

O cargueiro tem 282 metros de comprimento e, apesar da atracação ter sido experimental no berço 1, operado pelo Terminal de Contêineres do Vale do Itajaí (Teconvi/APM Terminals), comprovou que o Complexo tem condições de operar navios desse porte.

“Cabe salientar o empenho da Praticagem e da autoridade marítima na consecução desta operação, juntamente com a Superintendencia do Porto.”

O Porto de Itajaí também encerrou em abril as operações com navios de turismo da temporada de cruzeiros 2009/2010, com 39 escalas, que movimentaram 42,71 mil passageiros entre os meses de outubro do ano passado e abril deste ano, ante 18 atracações e 31,28 mil passageiros da temporada anterior. Os embarques somaram 7,09 mil passageiros e, os desembarques, 7,94 mil passageiros.

Anúncios

About Alexandre da Rocha

Nasci carioca, nasci guanabarino. Desconfio que nasci marinho. Cheguei a deixar do mar, sim... Mas cadê que o mar deixou de mim? Vim morar
%d blogueiros gostam disto: