PRATICAGEM | Lição de História

A alegação recente de que os preços de praticagem no Brasil são, de forma geral, muito altos, ou injustificáveis, não passa, na essência, de reedição de uma história já vivida em outros tempos e lugares.

Entre 1962 e 1968, o governo canadense examinou detidamente seu sistema de praticagem, através de uma Comissão Real, presidida por Yves Bernier. Deste trabalho resultou um dos relatórios sobre praticagem mais detalhados que se conhece (disponível em inglês e francês em http://epe.lac-bac.gc.ca/100/200/301/pco-bcp/commissions-ef/bernier1968-71-eng/bernier1968-71-eng.htm).

No Apêndice X da Parte I do relatório, pergunta-se, na página 711, “como os custos de praticagem influenciam as operações dos navios”. E logo no primeiro parágrafo da resposta, encontra-se algo familiar:

Ao submeter o tema dos custos da praticagem à consideração da Comissão Real, envolvidos no transporte marítimo optaram por apresentar esses custos como parte dos desembolsos dos navios em determinadas escalas e linhas. Contudo, isto não oferece um quadro muito fidedigno da realidade, uma vez que tais dispêndios representam apenas uma fração diminuta do custo operacional total do navio. Para avaliar o impacto econômico de um custo qualquer, ele deve ser relacionado com os custos operacionais totais ou com as receitas operacionais totais.

E exemplifica:

[It] is shown in the Commission’s Exhibit 959 that pilotage costs for a vessel picking up a cargo of grain at Fort William for Oran, Algeria, amounted to $2,802.37 (Les Escoumins to Fort William and return). The port charges at Montreal, Three Rivers and Fort William (excluding pilotage) were $1,624.44 ; thus total pilotage fees and port charges amount to $4,426.81. Pilotage costs were 63.3% of the ship disbursements included in this Exhibit . If Seaway tolls had been included, they would have amounted to about $4,900 .00, making the total $9,326 .81 ; and pilotage charges would have amounted to 30% of disbursements. However, the total cargo of grain amounted to about 12,250 tons, and a typical charter rate for this shipment would be about $8.00 per short ton, or approximately $98,000 for the trip. This vessel took thirty-five days (allowing four days to unload at Oran) to earn $98,000, or about $2,800 a day. The cost of pilotage listed in this Exhibit amounted to about one day’s earnings of the vessel, or about 3%.
This example is fairly representative of the relative cost of pilotage to bulk cargo shipping via the Great Lakes ports, where these costs are the highest in Canada because of the long Seaway route which requires the services of pilots in many places. The relative impact of pilotage costs is usually lower where vessels are loaded both ways or carry general cargo.

O autor do apêndice nota, ainda (p. 712), ser natural que alguns armadores, agentes, exportadores e importadores considerem que o preço da praticagem tenha grande impacto sobre o desempenho de seus negócios, isto porque tomam como medida de comparação suas próprias experiências de margens e lucros operacionais.

O texto também identifica medidas que os armadores podem adotar para minimizar o impacto do preço da praticagem, entre as quais o aumento do porte e a otimização do aproveitamento da capacidade de carga dos navios. Porém, a redução do preço da praticagem por tonelada transportada na indústria marítima não parece ser um incentivo expressivo, por si só, para a implantação destas ações, segundo o autor, já que sua participação nos custos de operação dos navios é, via de regra, de pouca monta.

Ainda que este estudo tenha quatro décadas, seus princípios fundamentais permanecem invictos. Por não terem sido desenvolvidos no Brasil, nem se relacionarem de forma deliberada com a nossa realidade, podem oferecer uma base alternativa para o diálogo salutar e respeitoso entre praticagens, armadores e autoridades, independente de circunstâncias fortuitas de ordem econômica ou política.

Anúncios

Tags:

About Alexandre da Rocha

Nasci carioca, nasci guanabarino. Desconfio que nasci marinho. Cheguei a deixar do mar, sim... Mas cadê que o mar deixou de mim? Vim morar
%d blogueiros gostam disto: