Destruição compromete logística de ajuda ao Haiti

Collapsed crane in Port-au-Prince
Portêiner lançado ao mar em Porto Príncipe

TERMINAIS ao longo do rio Miami, por onde se realiza grande parte das trocas comerciais EUA-Haiti, buscam opções logísticas para que a ajuda humanitária chegue a Porto Príncipe.

Um guindaste de pórtico desmoronou no canal principal do porto da capital do Haiti, e as transportadoras americanas agora esperam que navios de menor calado, próprios para rios, poderão manobrar no porto enquanto o porto permancer inacessível para navios de calado maior.

“Todo o cais está completamente destruído”, disse Frances Bohnsack, diretora executivo do Miami River Marine. “Aparentemente, levará meses antes que eles consigam tornar algo operacional por lá. A reconstrução vai ser uma maratona, não um sprint”, alertou ela à Fairplay ontem.

Transportadoras de Bohnsack estão fazendo um levantamento das necessidades básicas, entre as quais enlatados, ataduras e água engarrafada, que possam ser transportados para portos próximos, enquanto o canal principal de Porto Príncipe segue obstruído.

“O problema é que a infra-estrutura rodoviária do Haiti é deficiente, o que tornara difícil o abastecimento da capital”, explicou ela.

Richard Dubin, vice-presidente da Haiti Shipping Lines, disse que Cap Haitien, uma porto no lado norte da ilha, provavelmente será o principal porto de chegada de suprimentos, segundo o New York Times. O problema, acrescentou ele, é que Cap Haitien só pode lidar com um terço do volume de Porto Príncipe, acrescentou.

Com informações de FAIRPLAY

Anúncios

Tags:,

About Alexandre da Rocha

Nasci carioca, nasci guanabarino. Desconfio que nasci marinho. Cheguei a deixar do mar, sim... Mas cadê que o mar deixou de mim? Vim morar
%d blogueiros gostam disto: